29 de abril de 2017

Uma carta estranha para um estranho // 12 cartas em 12 meses


Olá! 
Queria expressar minha santa indignação sobre essa última semana. Eu estive na bad o tempo todo e não é nem TPM, porque eu nunca tive essa coisa em 6 anos. Ou seja, algo pode estar acontecendo. Meu palpite é que eu me atarefei demais e não estou sabendo me organizar direito. Sabe o cansaço intelectual? Aquele que a gente acha que só os grandes estudiosos têm? Então, eu descobri que qualquer ser humano está a mercê disso e principalmente quando se está na faculdade. É horrível porque eu tento dormir e quando acordo estou de mal humor. Thank God.
Mudando de assunto, na última sexta-feira teve greve geral! Eu estive na manifestação de manhã e foi muito incrível. Nem sabia que tinha tanta gente com vontade de lutar. Me dei conta de muita coisa.
Enfim, a quarta carta do projeto 12 cartas em 12 meses.
  • Abril: Uma carta para um desconhecido.

Olá senhor,
Preciso confessar-lhe uma coisa. É muito esquisito que eu queira escrever uma carta para o médico que ajudou no meu nascimento. Eu não sei nem quando e porque isso começou, mas eu frequentemente penso nisso. Como seria encontrá-lo, doutor? Se é que você fez doutorado ou só se utiliza da intimidação social mesmo. Olha ai, você ajudou uma problematizadora a nascer. Duas na verdade, quase ao mesmo tempo.
Eu fico pensando se eu não te vi em algum lugar. Se você sentou ao meu lado na poltrona do cinema ou se estava na minha frente na fila do banco. É estranho pensar que quem me arrancou do útero da minha mãe para o mundo, esteja por aí vivendo sem saber quem eu sou. Claro que eu não fui a única a ser trazida à esse planeta azul pelas suas mãos, mas gostaria mesmo de te conhecer um dia. Acho até meio impossível, mas não consigo parar de pensar em como seria o encontro.
Às vezes fico imaginando quem você é, o que você faz além de tirar bebês de úteros. E espero que esteja vivo ou essa carta se tornaria extremamente mórbida. Será que você ainda é médico?
De qualquer forma, eu gosto de fantasiar sobre o seu passado. Na minha idade agora, 18 anos, o que você fazia da sua vida? Como você era? Será que já estudava medicina ou estava imerso na terrível angústia de não saber pra onde ir? Ou quem sabe, até hoje você não saiba pra onde ir... E a sua família, você tem uma? Ela se orgulha de você por ter conseguido um status de doutor? Você se orgulha de si mesmo? E as ideologias? E as paixões e aspirações? Será que você sabe quais suas motivações ou já perdeu essa reflexão em meio a correria da profissão? Espero que não, ou então você realmente está morto.
Eu tenho medo de um dia te encontrar e ficar decepcionada. Porque de algum jeito, eu me sinto muito próxima à você. Talvez eu veja na ideia que eu fiz do senhor, o meu futuro. Eu não quero ajudar pessoas a nascer como um médico faz, eu quero fazer as pessoas nascerem para a arte. O que é ridiculamente pretensioso, mas igualmente importante.
A extremamente curiosa e dramática menina que o senhor 
ajudou a vir à esse mundo que eu gostaria que fosse meu, 
Thainara Amorim.

23 de abril de 2017

(r)evolução.


A vida toda eu sempre me senti muito propícia a me metamorfosear. Não é difícil pra mim mudar de ideia, mudar de estilo, mudar de gostos... Basta apenas que conheça alguém ou algo que saiba me persuadir e lá estou eu, comprando aquela sandália que eu achava horrenda ou acreditando na ideologia que eu achava rasa. Você pode me chamar de influenciável. 

Eu me chamaria de evolucionável. 

E eu não sei se isso é uma coisa boa. Às vezes me ajuda, às vezes não. 
Esse blog nasceu assim. Eu achava que blogs eram infantis e que não acrescentariam nada nem à minha vida nem à vida das pessoas. Até um dia muito preguiçoso em 2014.
Há essa menina na internet que tem uma retórica deveras admirável (e pra acrescentar a voz dela ajuda muito), ela conseguiu me convencer em cinco minutos que eu precisava ter um blog. E assim que eu acabei de assisti-la, eu já tinha pensando em mil e um nomes para isso aqui. Foi então que eu criei um blog horroroso com a minha irmã. Nós não sabíamos nada de layout(até hoje não sabemos) e isso nos paralisou um pouco. Então ela desistiu e eu fiquei, e isso ficou, e você está nos lendo.

Toda essa delonga pra dizer que, enfim, mudamos o layout! 

Se você leu esse post que é nada mais nada menos que uma IMENSA crise existencial, você deve saber que o layout de antes não representava mais o SEMFM, e que eu não conseguia de jeito nenhum mudá-lo e isso não me deixava escrever sobre coisas que eu realmente queria escrever. Além disso, eu sempre achei que o blog deveria continuar como sempre esteve, que se eu mudasse o conteúdo vocês não o leriam mais.
Agora eu quero que o SEMFM seja assim como eu, evolucionável. Vamos descobrir se isso vai ser uma qualidade ou um defeito.

***

Quem me ajudou com essa lindeza de layout foi a Clarissa 
do Próxima Primavera que também está de roupinha nova!

19 de abril de 2017

Eu não sou sua cool girl!


Por muito tempo da minha vida, eu me perguntei por que todas as minhas amigas tinham namoradinhos ou paqueras e eu não. Sempre tentei não pensar nos motivos disso, porque me incomodava muito. Mas às vezes eu me perguntava o que tinha de errado comigo! Eu sou branca, tenho corpo padrão, meu cabelo se encaixa na categoria "ainda bem que é cacheado e não ruim!" (Categoria que podemos nomear "a mulata" dos cabelos). Meu corpo estava nas revistas, meu cabelo estava na TV! Mas por que os meninos se interessavam por todas as garotas à minha volta, menos eu?

E então a mídia me deu a resposta.

Sabe aquela menina com personalidade "masculina"? Uma menina que está dentro dos padrões de beleza, mas que pouco se esforça pra ser bonita ou não é tão vaidosa?  Aquela que faz piada escrachada, que fala palavrão? A liberal nos relacionamentos, que pega um monte e não fica com nenhum?  Aquela que é "da galera"?  E que geralmente quando varia um pouco - mostra aspectos considerados femininos (como tantas vezes aconteceu comigo) é fortemente questionada?

Ela era eu. Eu sempre estava nas rodinhas com os meninos, eu tinha facilidade de me relacionar com eles. Eles não tinham vergonha de falar nada na minha frente, desde a piadinha sobre pênis à ficada massa com a gostosa no sábado. Eu era a menina que não tinha frescuras, que não usava maquiagem, que não gostava de rosinha, que escutava "música de homem", que não lia livro de "mulherzinha", que via os filmes legais, que era "magra de ruim". Eu era um dos caras.
Ou melhor, eu era a "cool girl".

Então se algum deles se interessasse por mim, iria querer o tipo de "relacionamento liberal" que tanto sonhavam. Ou seja, usar a menina e depois dar o fora. Assim, eu não me apaixonava, eu não tinha permissão pra isso. Nem pra esperar que o cara ligasse pra mim no dia depois do primeiro encontro. Eu não podia consumir o que os caras não achassem legal e por Deus, eu não podia de forma nenhuma ser feminista! Eu estava lá para entretenimento deles e só.


O arquétipo da cool girl (garota legal em tradução literal) é bastante popular na Literatura. Geralmente é a menina que apresenta a maioria das características que introduzi acima e que despreza todas as mulheres com expressão mais feminina. Até mesmo essas novas personagens que estão surgindo, de personalidade forte e que são mostradas como guerreiras, atendem à certas características da cool girl. É algo que está tão por dentro das mídias contemporâneas que temos dificuldade de reconhecer, principalmente porque muitas vezes, essas "cool girls" são escritas por mulheres.
Na televisão e no cinema, esse arquétipo aparece de muitas maneiras. A Sam do iCarly é a típica cool girl. Não precisa nem de muita análise. Ela é praticamente um personagem masculino e quando se apaixona, todos ficam super surpresos! No seriado Sam & Cat o arquétipo é ainda mais visível, uma vez que há um contraste enorme entre a expressão de gênero totalmente masculinizada da Sam com a fofura e,  não por acaso,  burrice da roommate Cat. 
Em Gilmore Girls também somos capazes de enxergar esse trope. É muito perceptível no episódio em que a Lane Kim, amiga de uma das personagens principais, Rory Gilmore, vira líder de torcida e tem vergonha disso. Lane e Rory são inteligentes e “sem frescura", raramente estão dentro da expectativa feminina(como quando Rory aceita ser debutante em um baile, mas apenas pra agradar a vó -sqn) e sempre estão zoando as meninas que são diferentes, como a Madeline e a Louise.

A cool girl é um desserviço às mulheres e à luta feminista.
É um arquétipo machista que deslegitima as mulheres e as colocam em quadrados mais aceitáveis e menos aceitáveis. Além disso, perpetua a ideia de que há características próprias de homens e mulheres como se isso fosse natural e não construção social.
Humanos são humanos e têm características humanas.

Tudo bem gostar de livros de romance! Tudo bem usar rosa! Tudo bem gostar de maquiagem!
O que não está tudo bem é tornar a mulher um objeto de entretenimento. Ser diferente é legal, mas tentar ser diferente pra agradar homem é um investimento sem qualquer retorno.

11 de abril de 2017

18 antes dos 18!


Gente! Hoje eu faço 18 anos! 
Eu percebi há pouquíssimos minutos que o prazo do projeto 18 antes do 18 acabou hahaha Sério, parece que foi ontem que eu escrevi essas metas no meu celular...
****

  • 1.Autorrealização. Talvez isso seja um pouco impossível,mas vou sonhar mesmo assim. 
  • 3.Começar coisas que quero muito,mas que tenho um medo insano de fazer,seja por aceitação,ou qualquer outra coisa. 
  • 10.Parar de pensar incessantemente sobre oque as pessoas estão pensando de mim,porque fala sério(!),isso é um saco. 
  • 12.Parar de roer minhas unhas,e ter mais cuidado com todo o resto de mim,em geral. 
  • 17.Ter um amor épico,não importa de qual tipo seja.Se é que amor pode ser classificado em tipos. x
  • 18.Me aceitar completa e independentemente de tudo e sobre qualquer coisa e pessoa. 

A meta está em andamento, fico feliz porque ela é a mais difícil de se realizar. Tem gente que passa a vida toda sem esse negócio de autorrealização, porque eu deveria ter isso aos 18 anos? Eu tenho um monte de tempo pra me resolver ainda!
A10° e 18° metas foram um pouco difíceis, principalmente porque comecei essa lista aos 15 anos de idade. Mas até que vai indo bem. Ás vezes a gente tem aquela recaída, mas ninguém é 10/10, certo?
Quando pensei na 12° meta, eu achava que roer as unhas fosse só mais uma maniazinha minha. Hoje sei que há outras forças que agem e não posso me culpar por isso, tenho apenas que reconhecer o problema e buscar a solução. Muito difícil até o momento que escrevo, mas já consigo ver o progresso.
Não pude realizar a 17° meta. Não dependia só de mim. Tudo bem.

  • 4.Voltar a dançar. 
  • 5.Fazer mais do que me faz feliz!(Escrever,ler,gravar,dançar,editar,assistir,escutar música,ler ou assistir O Fantasma da Ópera...) 
  • 13.Ver pelo menos um musical em algum teatro legal.Resta sonhar ver O Fantasma da Ópera na Broadway :') x
  • 14.Assistir absolutamente todas as adaptações de filmes dos meus livros favoritos. 
No ano passado eu voltei com esse negócio de dançar e foi maravilhoso! É uma sensação que engrandece, sabe? Uma das melhores do mundo!!! Na foto acima estou eu e minha irmã vestida para o musical Mary Poppins que é dificílimo de performar, mas maravilhoso de assistir! A 13° meta foi meio impossível de fazer acontecer. Com 15 anos eu não entendia muito bem o preço de um espetáculo da magnitude de O Fantasma da Ópera hahaha Um dia eu consigo!
  • 2.Terminar de escrever um livro que importe tanto pra mim,que não vou achá-lo horrível e destruí-lo sem piedade assim que acabar. ...
Não sei se estou no caminho, é difícil dizer.


  • 6.Viajar para fora do país. 
  • 7.Fazer intercâmbio
  • 8.Ver neve. 
  • 9.Ser fluente em inglês
Yaaaay! Parte mais felizínea do post! Consegui as primeiras três metas e estou quaaase conseguindo a !!!!! Sair dos limites do meu quarto aos 16 anos foi uma experiência que mudou completamente minha forma de ver o mundo! Foi como se eu tivesse começado uma nova vida. Nunca imaginei que eu fosse voar pra a outra parte do continente acompanhada apenas da minha mala e das minhas inseguranças e encontrar amigos do mundo todo e de todas as idades. Eu me senti no Mito da Caverna de Platão, sério! haha é uma coisa meio nerd de se dizer, mas me lembro da minha última conversa com o meu professor de Filosofia antes da viagem e ele dizendo pra mim que depois que se via o mundo real não se podia voltar pra a escuridão da caverna e isso foi uma das poucas coisas que ele falou que fizeram sentido! Em setembro de 2015 ao pousar em terras canadenses, eu finalmente entendi que eu não era mais uma criança.


  • 11.Ter um bom término de ensino médio.  Desses de comédia do John Hughes se quer especificidade. x (Não foi dessa vez, mas até que foi legal)
  • 15.Me mudar pra a capital.Sonhos.Sempre eles. x (Esse sonho mudou completamente!)
  • 16.Começar a faculdade de cinema.  (Bem, não estou começando a faculdade de cinema propriamente, mas o curso de comunicação social tem habilitação em cinema e audiovisuais, so fair enough)
FINALMENTEEEE! Com 15 anos, o término do Ensino Médio e a entrada na faculdade era uma ideia que parecia tão, tão distante de mim! Mas eu consegui! 
Quando eu voltei pra o Brasil, eu estava com medo de entrar em depressão pós-intercâmbio ou ter problemas pra me readaptar, mas felizmente não foi o que aconteceu. Eu fiquei muitíssimo surpresa que a maior razão pra eu não entrar em tristeza profunda foi a escola! A escola! Eu NUNCA gostei da escola a minha vida inteira! Eu odiava acordar cedo, ter que fazer tarefa e trabalho,seguir uma rotina todos os dias e ter que usar um uniforme ridículo, mas então, no meu último ano eu gostei. Só por essa razão eu já achei 2016 o ano mais esquisito da vida! De qualquer forma, ano passado eu fiz muitos amigos, eu entrei de cabeça nas coisas da escola e me dediquei muito à História que é uma das maiores razões de eu não ter desistido da escola depois da quarta série. Sobre a faculdade, eu já enchi o saco de vocês de tanto falar!
Os itens que possuem um coração ao lado,são os que já foram concluídos(yaaay!).Os que tem uma estrela,são os que estão em andamento.Os que possuem um x vermelho,são os que foram anulados.
Hoje, 11 de abril, eu tenho legalmente o direito de comprar minha própria Ice no mercado do Shopping hahaha E eu sinto sim muita diferença, sabe. Meus amigos me disseram que seria a mesma coisa. E claro que nada além da minha idade mudou de ontem pra hoje. A mudança foi gradativa e silenciosa. Eu não mudei muito pra as pessoas que me conhecem, ao que me disseram. Mas eu me sinto outra pessoa. Voltei à essa lista que escrevi há 4 anos e não consigo parar de rir com essas metas. Meus sonhos mudaram, minha visão mudou, minha vida mudou. Com 18 anos, eu me sinto muito longe da menininha que criou esse blog.

9 de abril de 2017

O que aconteceu no mês mais longo da minha vida

Estamos no começo da segunda semana de abril, mas mesmo assim eu vim falar dos acontecimentos do mês passado. Eu deveria ter colocado esse post no ar há uns quatro dias, mas só agora eu pude descansar um pouco dessa loucura que é o curso superior. Todo tempinho livre que eu tive no dia, eu só conseguia pensar em escutar um pouco de música ou ver Netflix. Estou tentando fortemente voltar ao meu ritmo normal de leituras, mas às vezes eu só quero voltar pra casa e fazer absolutamente nada.
O mês de março foi provavelmente um dos meses mais loucos da minha existência nesse planeta azul. Foram 31 dias que mudaram totalmente a minha vida. Nem sei se pra melhor ou pra pior, mas estou tentando ser positiva. Eu nunca tinha realmente entendido o significado da palavra Ovewhelmed (escrevo inglês porque sou péssima tradutora), mas agora eu acho que fui eu quem inventou essa palavra.
O que aconteceu: Eu finalmente comecei minhas aulas na UFPE(sou caloura de Comunicação Social)! Agora pego dois ônibus lotados de segunda a sexta. Minhas aulas começam de duas horas da tarde, mas tenho que sair de casa ao meio-dia e meia. Pra mim que sempre fui uma pessoa preguiçosa pra se deslocar, está sendo uma experiência de perseverança! Mas é bom ir pra um lugar novo, sabe? Eu ainda não me acostumei a nada lá! Não tenho mais regras tão restritas à minhas roupas, o foco do estudo não é mais o vestibular, não estudo mais matérias exatas(não no primeiro período pelo menos) e isso não quer dizer que eu ame todas elas. As aulas são muito boas e os professores são diferentes de todos que já tive, acho que o que mais eles me ensinam é a ser adulta. Além disso, eu e meus amiguinhos formamos um grupo de debates malaviloso e fomos à minha antiga escola discutir questões sociais com alunos do primeiro ano do Ensino Médio. Sabe aquela sensação bem utópica de estar ajudando a mudar o mundo? Pois é.
Ahhh! Eu tenho outra blogueira pra conversar na sala agora, minha amiguinha Clarissa <3

O que eu li: Além das 300.000 apostilas que meus professores pediram, eu consegui ler dois livros muito bons! Boa Noite, da Youtuber Pam Gonçalves e Menina Má do William March. Boa Noite fala de uma menina que está entrando na faculdade de Sistema de Informações e que descobre muitas coisas pelo caminho, inclusive a existência do patriarcado! Dei 3 de 5 estrelas porque apesar de o assunto ser importantíssimo, não curti muito a personagem principal e achei a escrita da Pam muito junior high, mas provavelmente porque o livro não foi escrito pra mim. Menina Má é só amor! Conta a difícil trajetória psicológica da dona de casa Christine Penmark ao perceber a natureza peculiar de sua filha e desconfiar que criou uma criança criminosa. Dei 4,5 de 5 estrelas! Agora estou lendo Razão e Sentimento da menina Austen e claro, não poderia ser de outra forma, amando.
 
O que eu ouvi: Todas as músicas da playlist de primeiro dia de aula umas quinhentas vezes! hahaha Ouvi Damien Rice e as músicas de Heathers - The Musical como sempre! Conheci a famigerada dupla Anavitória e não me decepcionei(minha música preferida até agora é Nós) e voltei à minha infância ouvindo Tiziano Ferro hahaha Eu e minha irmã achamos uma playlist antiga e rimos a madrugada inteira de nosso antigo gosto musical, mas acabei me viciando novamente no italiano! Por causa do Lolla (meu sonho ir!!) voltei a ouvir o álbum Cry Baby loucamente, principalmente Mad Hatter!

O que eu assisti: Fui obrigada a ver um documentário meio paia pra a faculdade e mais alguns vídeos que não irei citar. Por plena vontade eu revi Gilmore Girls! Tô na segunda temporada pela segunda vez, mas amando como se fosse a primeira! Assisti finalmente o final de The Vampire Diaries depois de oito anos acompanhando a série! Foi muito emocionante, apesar de a série ser bem lixosa cinematograficamente. Comecei a segunda temporada de LOVE, mas duvido fortemente que eu vá continuar, porque eu tô bem ocupada e eu prefiro não "desperdiçar" essa série agora. De filmes, eu vi Nick & Norah e gostei muito, vi When I met you e fiquei meio perturbada. Devo ter visto mais coisa, mas não lembro. Inclusive, esse foi um mês bastante improdutivo nessa parte, hein!

3 de abril de 2017

Menina Má


Então esse é o segundo livro lançado pela Darkside Books que estou lendo. Uma amiga da faculdade me emprestou. É um daqueles livros que eu morro de medo de amassar uma folhinha sem querer e não porque a dona da cópia é horrivelmente incompreensiva ou porque o livro é mais caro do que eu normalmente poderia comprar.
Eu simplesmente sinto que este livro representa o início de um ciclo.
Um livro que estou lendo nas minhas primeiras semanas de faculdade e que uma amiga que fiz recentemente me emprestou. Parece que se eu cuidar mal desse livro ou não gostar dele, vai significar mais do que normalmente significaria. E isso é bem doido. 
Toda vez que tomo-o nas mãos pra ler, penso nisso. Está sendo um livro fantástico até agora. E exatamente como esse ano, está me surpreendendo cada vez mais. Eu realmente pensei que seria de um jeito e está sendo de outro totalmente diferente. O livro e o ano. E eu não quero terminar. Eu quero que ele dure. Eu quero que esse momento dure. Que essa amizade dure. 
E que finalmente esse seja o melhor tempo da minha vida. 

***
A diagramação de Menina Má é evidentemente o porquê de eu amar essa editora. O livro é todo incrível e mesmo que eu não saiba o final ainda, tenho quase certeza que não mudo de opinião. Recomendo fortemente!!
By a Lady.... Tecnologia do Blogger.
Se Esse Mundo Fosse Meu... © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.