30 de junho de 2015

Guilty Pleasures: Séries

E ai?
Gente,tá um friozinho tão bom,né?Gosto muito dessa época de junho por causa disso.Além de que tem férias e ainda comidas típicas maravilhosas de São João.A única coisa ruim,é que tem festa até tarde,oque significa milhares de bombinhas ridiculamente altas sendo estouradas na frente do meu quarto(o meu quarto é o primeiro da casa e a minha cama fica encostada na parede,então só tem uma varanda me separando dessas bombinhas malditas!).
Enfim!Ontem foi um daqueles dias em que eu só sai da cama pra ir no banheiro e buscar comida.Serião,eu só fiquei no notebook o dia todo assistindo os filmes que estavam bem atrasados na minha wishlist.Todos foram filmes nacionais(ó que menina patritota haha sqn),e felizmente gostei de todos também.Acho que vou fazer resenha de um,que foi o segundo que eu assisti e achei absolutamente incrível e inspirador,Eu não faço a menor ideia do que eu tô fazendo da minha vida(clique aqui para ver online).Os outros que eu assisti,que são bons mas medianos,foram Desenrola(clique aqui para ver online)e Confissões de Adolescente(clique aqui para ver online).Recomendo muito esses filmes para os adolescentes,porque eu vejo como é frustante só assistir filmes e séries de colegial norte-americanos e não se familiarizar com aquilo.Nesses filmes que citei acima,eu me senti próxima do enredo e dos personagens(não muito porque sou pernambucana e tudo é um pouco diferente aqui,tanto uniforme e estrutura da escola,quanto o jeito das pessoas e tal),deu um gostinho de Ei,isso pode acontecer! 
Pra quem não sabe,Guilty Pleasures significa Prazeres Culposos,algo assim,é como uma coisa que você gosta mas tem vergonha de admitir.Eu realmente não tenho vergonha de admitir que gosto de alguma coisa(essa era uma mania terrível minha que consegui me livrar,ter vergonha da coisas que eu gostava),mas com Guilty Pleasures,eu não me refiro em ter vergonha realmente porque é uma coisa zoada e tal,mas a algo que eu sei que não é tão bom,mas gosto mesmo assim.
Eu sou cheia de Guilty Pleasures,eu poderia falar de milhares,porém hoje só vou falar das séries que a maioria das pessoas que eu conheço ficam meio surpresas em saber que eu gosto delas.
The Vampire Diaries
Eu comecei a ver essa série quando ela passou a ser exibida pela primeira vez no SBT,acho que faz uns 3 ou 4 anos,sei lá.Eu achava ela bem clichê no começo,mas tenho que admitir que ela foi tomando novos rumos com o passar das temporadas.Na primeira e segunda,parecia ser só mais uma cópia de Crepúsculo,só que mais caliente,em que uma garota toda triste,solitária e bondosa,encontra um cara lindo e misterioso que é vampiro e só porque sim se apaixona por ela e daí tem outro cara lindo e bad boy que tá ali só pra fazer aquele triangulo amoroso chato e que ninguém precisa e nem quer.No entanto,tenho que admitir que ao longo do tempo,isso foi mudando,mas ainda gira tudo em torno de um romance(mas especificamente,um séquisozinho),e tanto é,que pode perceber que todo mundo já pegou todo mundo no fim da série,sério.Mas fazer oque?Não consigo deixar de lado.
Glee
Essa é a minha série preferida da vida e eu amo ela,tipo muito.Mas como assim ela é um Guilty Pleasure?As três primeiras temporadas dessa série,são as melhores temporadas de série já feitas nesta galáxia,porém,a partir da quarta temporada,as coisas passaram a mudar tragicamente.Glee é uma série diferente,parece ser só mais um clichêzão adolescente comum no inicio:uma garota nerd e bem zoada,um cara lindo,atleta e popular,uma líder de torcida linda,loira e popular também,acompanhada de suas duas amigas megeras.Entretanto,temos mais alguns personagens bastantes peculiares e cheios de personalidade.É uma série musical,muita gente reclama de musicais porque na maioria das vezes fica chato,mas com Glee é diferente,porque além das performances serem divertidíssimas,o repertório é atual e/ou bastante conhecido.Além de ter um enredo original e um cenário que faz todos os adolescentes se identificarem,seja pela descoberta da sexualidade,a iniciação sexual de fato,o bullying por causa da etnia ou da religião,os problemas familiares,os sonhos aparentemente impossíveis...Todas essas coisas boas aconteceram nas primeiras temporadas,depois tudo ficou bem pedante,mas eu nunca consegui abandonar.
Julie e os Fantasmas
É uma série meio besta?Sim.É uma série pra crianças ou pré-adolescentes até 12 anos?Sim também.Mas eu gosto,e não faço ideia do porquê.Julie e os Fantasmas é tipo Isa Tkm,só que um pouco melhor.É basicamente sobre uma garota que se muda com o seu pai e irmão pra uma casa bem velha,e lá moram três fantasmas dos anos 70 ou 80,não lembro,que viram amigos dela e eles formam uma banda de rock chamada Os Insólitos.Tá,The Vampire Diaries parece mais possível! hahaha
Eu comecei a ver essa série no dia 13 de junho,eu acho,pelo canal no youtube da Mary Lessa,a garota que faz a Julie na série.Eu estava,por motivos desconhecidos pela ciência, assistindo alguns episódios de Rebelde e Isa Tkm,meus antigos Guilty Pleasures,quando me deparei com esta série e decidi ver.Não parei até ter assistido a temporada inteira e fiquei bem surpresa comigo mesma ao perceber que fiquei triste por não ter uma segunda temporada.Eu acho que gostei dela,pela mesma razão que gostei dos filmes citados acima,é uma série nacional e eu meio que me senti familiarizada com o ambiente.
Achei justo informar a vocês,que enquanto eu estava fazendo esse post,minha irmã(a da minha idade,que está prestes a ir pra Nova Zelândia),decidiu que deveríamos pegar uma pipoca de microondas sabor queijo,abri-la,fazê-la na panela como uma pipoca normal e colocar creme de chocolate por cima.Eu com as minhas habilidades de chef de cozinha,à la Dani Noce,queimei a pipoca e ainda fechei a tampa da panela pra fazê-la,com uma colher dentro.Ficou horrível,só pra registro.Não shippem queijo com chocolate,nunca.
Mas enfim!me contem quais são os Guilty Pleasures de vocês ou se também compartilham do meu amor por alguma dessas séries ai.E parem de rir por ter Julie e os Fantasmas na lista! hahaha
Até o próximo post! ;)

26 de junho de 2015

Uma simplória página de Diário

Essa não sou eu,digo,é só mais uma pessoa que invadiu meu pensamento no meio da madrugada.
Essa deveria ser uma daquelas páginas emocionantes ou pelo menos bem escritas?Não sei...De qualquer jeito,não tenho muita coisa pra falar sobre isso.Não por agora.
Bem,hoje eu faço 16 anos.É.Não achei que fosse chegar tão rápido.Mas de repente,aqui estou eu,prestes a terminar a escola e ter que decidir oque eu vou fazer.Não sobre faculdade,sobre ABSOLUTAMENTE tudo.
Eu estava pensando sobre isso,e acabei descobrindo que não fiz muita coisa!Sabe,desde que eu tomei consciência de que sou uma matéria racional(será mesmo?),até hoje.Maioria das pessoas que conheço,sempre parecem ter passado por coisas tão emocionantes antes dos 16,ou durante,e eu fico tipo...Nossa!
Dizer que me sinto uma fonte inesgotável de insipidez ou que me sinto uma máquina incessante de sem-graçisse,seria talvez um exagero.Mas nesse momento,não quero pensar nisso.Vou trancar todas as partes confusas e medrosas da minha mente e me concentrar em finalmente fazer alguma coisa.Daquelas que eu vá lembrar sempre,não como uma bobeira que uma garota desesperada por aventuras acabou se metendo,mas como algo que mesmo se for simples,vá deixar qualquer marca de experiência.Sei lá!Queria ser mais interessante,desses tipos de gente que são diferentes da maioria ou de todo mundo.Gostaria que as pessoas me vissem como uma garota corajosa e/ou inspiradora do que essa fábrica ambulante de caretisse humana que eu me deixo ser.Queria ser dessas que não têm medo de fazer oque der na telha e podem cair várias vezes e bater a cabeça contra o asfalto todo o raio de vez,mas que pelo menos serve de linhas de poema pra algum coração talentoso.Queria poder ter histórias pra contar,minhas.Das quais passei,além das que invento.
Algo em que eu seja a protagonista.
Ando cansada de ser só a observadora.Quero fazer parte,me sentir infinita.

23 de junho de 2015

Minha Primeira Amizade #APVQA


E ai?
Gente...Lembram que eu falei que a minha irmã iria fazer intercâmbio esse ano pra a Nova Zelândia?Pois é,há alguns dias atrás,recebemos a notícia de que ela vai viajar dia 17 de julho.Tipo...NÃO FALTAM NEM UM MÊS!Eu não sei muito sobre o intercâmbio dela,porque somos de agências diferentes(lembram que eu falei que a minha agência só trabalha com intercâmbios canadenses?),mas pelo que ela conversa comigo sobre(mais ou menos 24 horas por dia),as aulas dela vão começar no dia 19 ou 20 de julho,sabe,tipo uma high school normal.E cara...Eu fico o tempo todo pensando em como vai ser estranho acordar e não ver ela no quarto,passar as férias sem ouvir ela falando sobre todas as bandas de rock da galáxia(pelo menos,não pessoalmente),esperar o ônibus sozinha,chegar na escola sem ela e não ter que comer o resto do miojo que ela sempre estraga...Tudo bem que eu viajo em agosto,mas sei lá...Vão ser dias esquisitos.
Okay!mudando de assunto,adivinhem quem está viciada em Julie e os Fantasmas?Não,não é a minha priminha de 10 anos.Sou eu! hahaha Eu sei que é bem besta e que as músicas não são assim a nível Broadway,como eu costumo assistir em musicais,mas é legal!Vocês não acham que o Daniel e a Julie são super shippaveis(olhem essa ilustração linda!)?Preciso expressar o ódio que eu sinto pelo Nicolas...Mas não vou,invés disso,vamos ao post!
Lembram daquele projeto criado pelo blog RaW(se você não viu o post anterior do projeto,clique aqui)?Bem,o tema desse mês foi "Minha Primeira Amizade",e apesar de eu achar esse tema um pouquinho difícil,eu estou animada,porque eu tenho umas histórias pra contar e tal.

Sabe aqueles dias que parece que nada de especial vai acontecer e de repente acontece e você nem percebe que aconteceu e só depois de alguns anos você se toca que aquele dia,aparentemente comum,foi o inicio de uma grande e importante parte da sua vida?Foi desse jeito que aconteceu.
Éramos crianças bastantes peculiares.Ambas apaixonadas por histórias.Especialmente de terror.Naquela época,passava um programa bem famoso na televisão,e tinha um bloco em que eles exibiam meio que um curta de alguma lenda urbana.E obviamente,eu e ela éramos fissuradas nesse programa.Tenho que fugir um pouquinho do foco,para informá-los que em caso de histórias de terror,sempre fui meio masoquista.Simplesmente pelo fato de que eu quase sempre sei que eu vou ter problemas pra dormir e/ou ficar sozinha em algum lugar por um tempo,mas sou defensora da ideia que eu nunca vou parar de ter medo de algo se eu não enfrentar esse algo,e também,não tem graça assistir,ler ou ouvir histórias de terror,se elas não te deixarem com medo depois.Voltando para oque interessa,essa também era a filosofia da tal garota,e não demorou muito para que descobríssemos sobre esta coisa em comum e demorou ainda menos para que nos tornássemos amigas.
Fomos descobrindo mais e mais coisas de que gostávamos.Como o nosso amor pela música,por exemplo,e o nosso fascínio por gatos(aliás,enquanto escrevo isto,minha gata está me encarando profundamente.Provavelmente porque também estou comendo um biscoito),e a partir de então,nos tornamos inseparáveis.Na verdade,como eu sempre tive minha irmã querida a tiracolo,nós três nos tornamos inseparáveis.E éramos até um grupo bem tranquilo.Então uma tal pessoa chegou e bagunçou a coisa toda.Vocês já conhecem a Tal pessoa.Autoritária,arrogante e com complexo total de monarca,ela simplesmente invadiu o grupo e exigiu um lugar.Acho que esqueci de falar que a outra garota também tinha uma mente meio aristocrata e as duas logo se tornaram...como posso dizer?Aminimigas?Mas apesar de tudo,éramos como O Quarteto Fantástico(!),ou como elas prefeririam dizer "Eu e as três mosqueteiras!"
Mas não pensem que a amizade durou pouco,até hoje ainda tenho alguns resquícios dela,e nem pensem que não foi forte o suficiente para suportar distâncias ou que,apesar dos nossos conflitos(nossa amizade era como a antiga frança estamental),não éramos totalmente entregues umas as outras.A coisa foi intensa por um looongo tempo.Pra vocês terem ideia da nossa total falta de segredos umas para as outras,tivemos a empolgante ideia de escrevermos um diário coletivo.Faz uns 3 ou 4 anos.E ainda hoje o tenho e chego até a ler de vez em quando.
Mas tudo acabou de maneira esquisita.Os sentimentos ditatoriais delas cresceram consideravelmente e eu e minha irmã acabamos percebendo que aquela amizade nos encurralava em um sistema muito injusto de três estados,que nem na Europa do século XVII mesmo,a tal pessoa era o primeiro estado(ou seja,o clero),a tal garota era o segundo(ou seja,os nobres),e eu e a minha irmã éramos o terceiro estado(ou seja,as ferradas).Então fomos boicotando essa regra lentamente,até que a tal garota acabou perdendo o interesse e decidiu,assim como alguns nobres daquela época(me refiro a Revolução Francesa,se ainda não ficou claro),ir embora e virar a rainha de outra pessoa(acabei descobrindo depois,que esta virou uma mania dela,ficar mudando de governado toda hora,dando a carta de alforria a um e logo após,escravizando outro).Mas ainda continuamos,eu,minha irmã e a tal pessoa,tentando insistentemente fazer o resto da coisa ainda dar certo.E como Voltaire mesmo dizia,ainda pode-se ter alguns(por mais que raros)momentos bons sob o governo de um tirano,mas bem,eu digo que não dá pra alongar a situação por muito tempo até que as coisas verdadeiramente ruins comecem a acontecer.Então eu e minha irmã invadimos a Bastilha,destronamos ela e declaramos nossas próprias regras de que ninguém poderia voltar a nos submeter a coisa nenhuma.Desculpa Voltaire,mas as vezes é libertador não estar sob o governo de qualquer pessoa. 

Conforme as outras participantes do projeto forem postando,vou colocando os links.
Até o próximo post ;)

21 de junho de 2015

Máquina de contar pensamentos

Confuso?Sim.Absolutamente.
Se eu fosse parar pra pensar em todas as vezes que eu já parei pra pensar em tudo oque eu já pensei,eu provavelmente morreria pensando.O caso é que eu sempre vejo gente pedindo pra a gente pensar mais.Mas como assim pensar mais?Tem máquina de calcular o tempo que a gente passa pensando?Quanto que a gente pensou no dia ou quem pensa mais e quem pensa menos?
Ás vezes eu fico pensando que em pensar a gente perde tempo.Sabe,quantas horas a gente passa só pensando?Pensando no tempo,na vida,no namorado novo da vizinha...Daí eu penso que se a gente pensa toda hora,então toda hora a gente perde tempo,oque não é muito coerente,mas faz todo sentido se você pensar bem.
Outra coisa que vez ou outra me pego pensando é em quantas pessoas estão pensando dentro do meu pensamento.Confuso?Deixa eu explicar:Sabe quando a gente pensa que aquele nosso pensamento não veio de nós mesmos porque é bem diferente do que gente costuma pensar?Como se você fosse livremente incoerente que nem o Fernando Pessoa e parece que uma hora você é você,outra hora você sou eu,outra hora você é ele,ela,um monte de gente numa pessoa só.Isso me faz pensar em como deve ser esquisito ser como aquelas pessoas que leem pensamentos(se é que elas existem),porque quando você vai saber que aquele pensamento é seu ou de outra pessoa?E como deve ser ter um monte de outras pessoas desconhecidas pensando na sua cabeça?E não como todo mundo que vez outra muda de pensamento como eu citei acima,mas de um jeito esquizofrênico de toda hora pensar diferente e pensar em coisa que você nem sabia que existia ou lembrar de momentos que você nunca viveu.  
Então eu decidi criar um jeito de saber tudo isso.Um jeito aparentemente simples e eficiente.Decidi pôr no papel tudo oque eu estava pensando quando eu estivesse pensando.
Tentei a primeira vez,me perdi.Sem sucesso.A segunda,entendi nada.A terceira,cansei.Game over.
Descobri oque era bastante óbvio:não dá pra calcular pensamento,porque eu penso o tempo todo e penso em mil coisas ao mesmo tempo e tão rápido que seria humanamente inconcebível captá-las(pelo menos boa parte) no momento exato.Estou pensando agora,enquanto escrevo isto,estarei pensando depois enquanto estiver dormindo,estarei pensando quando acordar,estarei pensando enquanto viver.E,no entanto,ainda esperando,essa máquina de contar pensamentos,pra que eu não perca mais nenhuma ideia e nem esqueça de pequenos e singelos momentos bons.

18 de junho de 2015

Um papo sobre...Publicidade & Propaganda! + Campanhas favoritas!


E ai?
Se você me conhece,com certeza deve saber que eu falo um pouco demais sobre Publicidade e Propaganda e eu vou dizer-lhes o motivo.
Se você estiver com preguiça de ler esse textão,pode pular essa parte e partir logo para os vídeos,se quiser.E pra quem ainda lê os textos que posto aqui,vamos começar!
Desde os 7 anos eu decidi oque eu realmente queria fazer,e por motivos das minhas "condições na infância" também,eu creio.Enquanto todo mundo era viciado em internet,vídeo game e celular,as únicas coisas tecnológicas que minha mãe me permitia mexer eram a televisão,o DVD e o rádio.Ela queria que todos nós tivéssemos uma infância verdadeira,"Cada coisa no seu tempo!"minha mãe diz até hoje.
Por esses motivos,eu acabei me tornando uma traça de livros,uma dependente musical e uma fascinada por televisão.Mas hoje,eu só vou falar do último tópico.
Desde pequena,eu sempre ficava alucinada com os efeitos especiais e todas as coisas incríveis e irreais que eu via na televisão,e pra você pessoa,que odeia quando está assistindo alguma coisa e de repente começam os comerciais,provavelmente não vai entender oque vou dizer agora:Eu amava eles! - Você que canta todas as músicas dos comerciais,entende! ;)
Quer dizer,os bem feitos.Hoje em dia está realmente difícil,já que as propagandas que vemos em intervalos dos nossos filmes e programas estão vindo cada vez maiores e sem sentido.Quando não apelam muito!
Desse modo,eu volta e meia vou a internet em busca de propagandas inteligentes - isso não só em vídeos como em fotos,cartazes ou até mesmo capas de livros.
E como eu fico pensando muito em de repente me formar em P.P algum dia(depois de cinema ou durante),eu vou mostrar pra vocês que também pensam na possibilidade,as minhas propagandas /campanhas favoritas(cliquem nos títulos para assisti-las!),now!
 


Esse é um comercial bem simples,mas que me remete a coisas boas.Pode ser bem idiota,mas na maioria das vezes que o meu cabelo fica com aquela aparência rebelde(pra não dizer horrível!),eu canto a musiquinha dessa propaganda e me sinto melhor.Aliás,uma coisa que eu acho muito importante em um comercial,além de que ele seja visivelmente atraente,é que ele tenha uma trilha sonora única,original e chiclete.


Essa é fantástica!Sabe aquela mania machista de achar que nós somos o sexo frágil,que somos todas frescas e que fazer algo "como uma garota",é fazer mal?Pois nessa propaganda da Always,eles nos mostram de maneira bem original,como este conceito é completamente errado.


Assim como a primeira propaganda,essa também tem aquele cunho meio auto-ajuda,mas não de um jeito chato ou clichê,mas de forma totalmente original.É uma das minhas propagandas favoritas,por mostrar de maneira sútil,que beleza é algo psicológico,e somos bonitas sim,o problema é que nem sempre enxergamos nossas qualidades.


Essa é uma propaganda bem bonitinha,se não me engano em homenagem ao dia das mães,em que pedem as mães para que se descrevam como tais,e depois perguntam aos filhos dessas mães,como eles as descreveriam.Lembra bastante a propaganda anterior.


Essa é uma campanha bem emocionante.Enquanto as pessoas estão presas no trânsito de São Paulo,irritadas e estressadas,começa a tocar na rádio que estava ligada na maioria dos carros,uma mensagem pedindo que as pessoas se virem e deem um sorriso verdadeiro para as outras.É sensacional.


Essa é muito boa também!Como disse antes,acho importantíssimo que a propaganda seja visivelmente atraente,e quando juntam uma animação muito legal com uma mensagem muito boa,temos oque?Isso mesmo,Campanhas maravilhosas!


Essa é uma campanha bem polêmica.Não sei se teve estardalhaço aqui como teve lá no México,mas é de fato,uma propaganda meio chocante.Minha opinião sobre ela é controversa,mas acho original,e sempre que penso em propagandas/campanhas,lembro dela.

Até o próximo post! ;)

15 de junho de 2015

Ai,é brasileiro?!

Repararam no novo layout?(possivelmente,sim)

Será que a nossa própria cultura está se perdendo? 

E ai?
Hoje eu resolvi falar de um assunto que vez ou outra acaba me deixando irritada.Antes de começar,eu quero deixar bem claro que essa é apenas minha opinião e você pode concordar ou não,simplesmente não é uma verdade absoluta.
Um dia desses,eu fui na livraria com a minha prima porque eu queria novos exemplares na minha estante.O caso é que fomos bem tarde,e ela teria um compromisso em alguns minutos,então eu corri o mais rápido que pude e peguei um livro que eu realmente queria e sabia tudo sobre(quer dizer,quase tudo),e peguei sem nem olhar a capa,um livro grandão de lombada bonita(infelizmente,ou felizmente,eu me importo bastante com a aparência de qualquer produto que eu vá comprar).O livro grandão de lombada bonita,foi um pouco mais caro do que o outro,e só depois que a gente já estava saindo do shopping,foi que eu me lembrei de ler a sinopse.Daí,enquanto eu espiava o de lombada bonita,minha prima pegou o outro exemplar que eu tinha adquirido e foi dar uma olhada.Então ela olhou pra mim,com a cara mais surpresa do mundo e falou:"Oque?!Tu comprou um livro brasileiro?!" ,e ai eu respondi "Exatamente.Por quê?" 
E é claro,ela me deu aquele argumento ignorante de que nada produzido neste país é bom.Mas oque me deixou um pouco intrigada,foi que ela não se surpreendeu por eu ter comprado um livro bem mais caro apenas pela lombada,porque obviamente,não importa sobre oque era o livro ou quem era o autor,era produto estadunidense,então valia muito mais a pena,do que o livro de uma escritora brasileira.
Bem,outra vez,eu fui nesta mesma livraria,comprar um exemplar de presente pra a minha amiga,e acabei levando um livro daquela mesma autora que a minha prima havia subestimado.E tal foi a minha surpresa,quando a aniversariante recebeu o presente com a frase(acompanhada de uma cara de leve desprezo):"Ai,é brasileiro?!"
Nem preciso dizer que me senti ofendida nas duas ocasiões,e vou tentar explicar a razão.
Eu,como uma garota que sonha em um dia ser escritora e diretora de cinema,fico bem triste e irritada,quando as pessoas daqui,desprezam o produto que vem desse país.É como se estivéssemos passando por uma colonização cultural!Tudo oque vale a pena consumir é estrangeiro?
Isso me deixa um pouco desesperançosa sobre o meu futuro como profissional.Então quer dizer que se eu quero que as pessoas valorizem o meu trabalho eu tenho que sair do país e me encher de profissionais estrangeiros a minha volta ou até mesmo esconder que sou brasileira?As pessoas não deveriam basear o conceito de valor no conteúdo da produção e não no lugar onde aquilo foi produzido?
Eu acho bem errado que as pessoas resolvam comparar coisas incomparáveis.Espera,vou explicar:Oque podemos dizer sobre o cinema nacional?E oque podemos dizer sobre as superproduções americanas?
Eu acho válido que você reflita sobre uma coisinha antes de responder essa pergunta:Quem foi o primeiro a produzir este tipo trabalho?E quem tem mais possibilidades desde patrocínio até distribuição?
É óbvio que somos um país novo e em desenvolvimento.Agora,estamos muito mais necessitados de cuidar de coisas "mais importantes" do que arte,por exemplo.Não podemos nos comparar aos Estados Unidos,gente!Calma ai!
Mas não é por esta razão,que vamos nos apropriar de tudo que vem de fora e esquecer oque vem de dentro!Assim,como vamos evoluir nestes quesitos um dia?
Então o conselho que eu tenho pra dar pra todos que tiveram a paciência de ler isso tudo,é que não desistam do produto nacional,tem coisa boa e válida sim,só não são bem distribuídas,infelizmente.Lembrando que é assunto seu se você admira a cultura europeia,asiática,ou americana!A única coisa que é ruim que você faça,é excluir o resto do mundo,só porque você não o conhece,ou só porque não é bem valorizado.
Só pra constar,não é sempre que consumir uma outra cultura,é uma coisa ruim.Porque sim,o produto estrangeiro é bom.O problema vem apenas quando extinguimos uma cultura original de um país,sem conhecê-lo e buscá-lo,somente porque outra coisa está na moda,mais visível,mais famoso.Aliás,nossos produtores de conteúdo nacional,precisam de um estimulo também,ou não fará sentido produzir pra nenhum consumidor.
Inclusive,vou até emprestar aquele livro brasileiro a minha prima,vai que ela muda de opinião?

12 de junho de 2015

Your love is magical!


''Não há montanha tão alta que eu não possa escalar
Sinto-me pequeno perto de sua graça."


E ai?
Feliz dia dos namo,pessoas!Espero que ele seja cheio de amor,não importa se você esteja com alguém ou não,até porque mais importante do que alguém amar você é você amar a si mesmo!
E é com esta frase de livro de auto-ajuda,que começo o post de hoje!E como é dia de romance,eu decidi trazer romance pra vocês também,falando sobre as frases,poemas e quotes preferidos da encalhada aqui!~Choremos.

O primeiro poema é de um dos meus autores preferidos da vida,Machado de Assis:


Teus olhos são meus livros.Que livro há aí melhor,Em que melhor se leia A página do amor?






Sim,o segundo também é do Machado,é um quote do meu segundo livro favorito,Dom Casmurro:

Dizem por aí ,mas não tenho certeza,que meu sorriso fica mais feliz quando te vejo,dizem também que meus olhos brilham,dizem também que é amor,mas isso sim é certeza.

O próximo é um trecho de uma das minhas canções preferidas do melhor musical do mundo,O Fantasma da Ópera(clique aqui):

Diga que partilhará comigo Um amor,uma vida Fale apenas isso,E eu o seguirei

O próximo é um quote do livro mais perfeito de Jane Austen,Orgulho e Preconceito:

Em vão tenho lutado comigo mesmo;nada consegui.Meus sentimentos não podem ser reprimidos,e preciso que me permita dizer que eu a admiro e amo ardentemente.

O próximo também é de Orgulho e Preconceito,mas desta vez,do filme(clique aqui e assista):

Se os seus sentimentos são os mesmos,então diga-me de uma vez.Minha afeição e os meus desejos não mudaram,mas uma palavra sua me silenciará para sempre.Se,contudo,seus sentimentos tenham mudadoEu terei de dizer:Você me enfeitiçou corpo e alma e eu a amo,a amo,eu a amo.

Agora um trecho de uma das minhas músicas românticas favoritas,do meu cantor favorito,Speechless(clique aqui):


Embora esteja com você,fico distante,Fora da realidade,sem falaSeu amor é mágico,é como sintoMas na sua presença,perco as palavrasPalavras como,"Eu te amo."


E bem,foi isso!Eu bem que queria encher isso aqui de coisas belíssimas e maravilhosas,mas esse post ia ficar enorme,vai ter fogueira aqui e eu não posso perder de ver a minha irmã enfiando coisas feito doida dentro dela e depois saindo correndo e o meu pai tentando salvar as coisas(ela não é doida,tá,é só porque ela não sabe assar milho e fica tentando fazer de qualquer jeito.Talvez ela seja doida.)...Enfim!Feliz dia do amor e do romance(falei essa última palavra com sotaque francês ç.ç),e tenham um ótimo fim de semana.
Até o próximo post! ;)

10 de junho de 2015

Batendo papo e ouvindo música!


E ai?
Hoje eu não tinha muita ideia do que postar,então pensei que seria legal mais um papo furado acompanhado de uma playlist(percebam que sempre que estou sem ideia,eu faço isso ç.ç),até porque,na verdade,eu tenho tenho umas coisitas pra contar.Interessantes?Provavelmente não,mas leiam mesmo assim(ou vão logo pra a play).
Okay. Ontem eu fui pegar o meu passaporte na polícia federal e foi tipo,muito legal!Tivemos que viajar pra a capital e ir ao aeroporto(que é muito foda),receber o documento.Não foi tããão legal como no dia do requerimento,porque desta vez tivemos que levar os pais,e vocês sabem como é que é um monte de pais juntos num mesmo ônibus né.Mas enfim!é muito emocionante pegar o passaporte,cara(mesmo que eu esteja uma demônia na foto)!
Estou leno o terceiro livro da saga Hush Hush(mas todo post eu tô lendo um livro diferente,viu!),Silêncio,e eu realmente não sei oque pensar.Eu adorei o fim de Crescendo,mas o começo desse terceiro livro...Hum...Alguém já leu ai?Melhora?
Então,amanhã tenho prova de filosofia e matemática e sim,exatamente,eu não estudei absolutamente nada.Exatamente,as provas são amanhã de manhã e já são 22:11h.

Essa play é das músicas que eu ando viciada atualmente.Sem muito oque falar sobre elas.Apenas ouçam.

Desculpem pelo post pequeno,mas é semana de provas,então já sabem hahaha Enfim!Acho que essa semana o novo layout sai,enquanto não,fiquem com este mesmo.
Até o próximo post ;)

5 de junho de 2015

Host Family! #DiárioDeIntercâmbio


E ai? 
Estou lendo um livro chamado A Fugitiva e é da Evelyn Lau,uma escritora canadense(porque né pessoas?Sim,isso mesmo,agora virei esta obsessão humana pelo Canadá e tudo oque eu faço é relativo a esse bendito país.Quer dizer,esquizofrenia recém-descoberta ou apenas ansiedade pré-intercâmbio?Não sei,fica no ar ai...),e putz!É muito legal!Tem algumas caliências...Outras coisas terrivelmente tristes e perturbadoras...Outras inspiradoras...É um negócio completo.Ainda não o terminei,porque o garoto é um tijolinho e mesmo sendo muito bom,as vezes fica meio pesado(até porque,é uma história real,tipo,foi o diário da Evelyn entre os anos de 1986,1987 e 1988) e eu interrompo a leitura,mas eu estou na luta! hahaha 
Aliás,a diagramação da editora Scipione,neste livro,é perfeita!Dá até gosto de ver aquelas letras grandes e maravilhosas,aquelas páginas amarelas...Enfim. 


Uma das coisas que mais me infernizou o juízo nesta organizações pra o intercâmbio(e meu Deus!quantas coisas me estressaram essas últimas semanas!),foi a carta para a Host Family.Nem todas as agências exigem que o intercâmbista escreva essa carta,mas a minha agência solicitou,e é talvez um pouco complicado. 
Esta carta(pelo menos a que a minha agência exigiu),consiste em escrever sobre você,sua família,seu país,seus hobbies,porque quis conhecer o Canadá(minha agência trabalha apenas com intercâmbios canadenses),porque quis aprender inglês...essas coisas.E óbvio,a carta tem que ser escrita em inglês. 
Meu nível no idioma,é tipo médio.Não sou fluente,mas me viro bem,então pra mim,a coisa toda foi mais fácil(colinhas do professor,a parte).Além de que eu tenho facilidade pra escrever cartas e falar sobre mim mesma(egocentrismo,talvez? ç.ç),dai eu acho que fui bem.Pensando nisso,eu decidi que iria dar dicas a vocês que se interessam(ou não,leiam mesmo assim!) pelo intercâmbio,pra que já saibam um pouco de como escrever para as pessoas que vocês nem conhecem,mas já consideram pakas hahaha
                                                                                ★
Pense bem!
Leia as instruções da agência e pense nas informações que deve incluir ou retirar da carta. Lembre-se que essas pessoas não lhe conhecem e estão ansiosas para isso,então mostre-se interessante(sendo você mesmo,obviamente),e acima de tudo,apto a viver novas experiências. 
Separe tópicos!
Depois,selecione tópicos,tipo:Apresentação,família e amigos,país,hobbies,expectativas e etc. 
Introduce Yourself!
Yaay!Hora de começar as apresentações!Se apresente,fale sobre você,seja espontâneo,mas ao mesmo tempo formal(tipo,sem muitas gírias,mas legível,não como um escrito filosófico de 1700). 
Fale sobre tudo de importante ao redor de você!
Agora fale sobre sua família,seus amigos,sua escola,seu país,as coisas que mais gosta de fazer,suas rotinas,suas paixões,tudo!Se quer ter uma família que lhe conheça bem e lhe trate como um filho,desnude sua alma! hahaha Mas cuidado pra não escrever um Sob a Redoma 2! 
Mostre-se interessado!
Oque você sabe sobre o seu país de intercâmbio?Oque te deixa mais ansioso para conhecê-lo? 
Porque quis aprender o idioma? Fale sobre seu desejo de fazer intercâmbio e sobre as razões pela qual está disposto a viver a coisa toda. 
Carta pensada,caneta na mão,agora capriche!
Procure seu professor ou alguém que conheça o idioma para lhe ajudar a escrever de forma inteligente e educada.É empolgante ver como você se interessa e é disciplinado(coisa que eu não sou muito...Tenho que sair dessa vida!) com a língua do país de intercâmbio.Não seja preguiçoso!Esforce-se e mostre que já está no caminho!
Bem,essas foram as coisas que me ajudaram a concluir minha carta.Queria postá-la aqui,mas pensando bem...Não segui todas as dicas que dei ~porque sou dessas~ mas acho elas bem válidas.Pelo menos ajudaram a minha amiga.Devolvo o dinheiro de volta se não der retorno(sou que nem actívia),ligue para 666,se for o caso (͡° ͜ʖ ͡°)
Até o próximo post! c;

3 de junho de 2015

Só Hoje.


Um dia alguém vem até você e faz aquela pergunta que te persegue até que - finalmente! - se decida: "Oque você quer ser quando crescer?"
Dai você começa a pensar no futuro.Pensa...pensa...mas pensa tanto,que acaba perdendo a melhor parte do filme.
De repente cresce e ainda não faz ideia do que quer ser.
Eu sempre acreditei que os meus melhores dias aconteceriam num futuro bem distante,quando tudo já estivesse feito.E bem feito,por sinal.
Dai eu pensava: "Ok.Eu vou fazer isso." e do nada,me vinha a mente: "Sério?Pra o resto da vida?" 
E nesse vai e vem eu me perdia e só vinha me encontrar depois de tempos,quando muita coisa de legal havia passado despercebida.Então eu parava num canto e dizia: "Poxa.Perdi a hora." 
E logo depois eu já me afogava em neuras e devaneios novamente.
Parece que a resposta daquela pergunta está bem no seu nariz,mas você automaticamente fecha os olhos e desata a sonhar tanto que não dá tempo de levantar a bunda do sofá e correr atrás da resposta. E você sabe bem que as respostas para as melhores perguntas não vêm fácil,a graça delas é você errar inacreditavelmente até encontrá-las,pensar no improvável e depois,putz!é isso.
Vale a pena arriscar naquilo que você acredita e se não der certo,desencana!Vai atrás de outro pensamento doido que você acabou de ter.
E por enquanto,viva o hoje e só hoje,porque O Agora é tudo oque você tem.

 Vai ter novidades e eu espero que estejam por dentro.
By a Lady.... Tecnologia do Blogger.
Se Esse Mundo Fosse Meu... © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.